“NA FLORESTA ESTÁ A NOSSA MAIOR FARMÁCIA!…”

naturalmed png
Hoje, ao ver o documentário fabuloso, “Visto do Céu”, sobre a importância da biodiversidade nas mais diversas áreas e, essencialmente, na preservação do planeta Terra, com orgulho e alguma emoção vi os minutos que foram dedicados à Medicina Tradicional Chinesa.

 

Hoje, ao ver o documentário fabuloso, “Visto do Céu”, sobre a importância da biodiversidade nas mais diversas áreas e, essencialmente, na preservação do planeta Terra, com orgulho e alguma emoção vi os minutos que foram dedicados à Medicina Tradicional Chinesa. A abordagem feita diz respeito ao uso da planta Artemísia Annua, por eles usada já há cerca de 2 séculos no tratamento de várias doenças, e que se revelou entretanto extremamente eficaz no tratamento da malária, que todos sabemos ser uma das epidemias que mais mata, particularmente crianças, no mundo!

Neste momento não é novidade a eficácia desta planta no ocidente, mas nesta altura de regulamentações relativas à Medicina Chinesa em Portugal, é especialmente importante lembrar que, durante anos, os ocidentais “negligenciaram os chineses e a sua medicina tradicional”, até que se interessaram e perceberam a eficácia da planta, extraindo inclusivamente dela a Artemisina actualmente utilizada no combate à malária.

Neste documentário refere-se em particular uma situação existente numa localidade próxima da Tailândia, onde o parasita da malária desenvolveu forte resistência aos tratamentos. Ali, a prescrição combina a Artemísia com a Mefloquina (anti-malárico muito comum), e o sucesso do tratamento ronda os 90%. Não será este um exemplo de algo que tanto se tem tentado contrariar? Será que os dados que levaram a Organização Mundial de Saúde a declarar a Medicina Tradicional Chinesa como eficaz, serão assim tão poucos?

Para mim é uma emoção cada vez que vejo o sucesso da conjugação das Medicinas Convencional e Tradicional Chinesa… é a prova de que, de facto, como tanto se apregoa, não há várias Medicinas, há uma só: a que cura eficazmente!

E se de facto há riscos, porque eles existem em todas as medicinas, há que conhecer bem as suas formas e aprende-las de maneira consistente, o que, no que respeita à actualidade da regulamentação nacional para os ciclos de estudos da MTC, revela que estamos no caminho certo!

Muito há para crescer, e sei que juntos faremos muito mais e melhor, pela saúde e pela preservação do nosso planeta…! E já agora, recomendo vivamente que vejam o documentário… façamos a nossa parte… as próximas gerações agradecem!!

 

Paula Gradim

Especialista de Medicina Chinesa